Alice Moraes

Padrões? Quebre-os!

Textos

   O sol bateu em seus olhos, fazendo-a piscar várias vezes enquanto desviava o olhar para trás. Adélia se aproximava, saltando troncos e pedras com dificuldade.
   - Vou te deixar para trás. – Ameaçou sorridente.
   - Você que não se atreva. – Adélia a lançou um olhar como se quisesse dizer “você vai se arrepender se fizer isso”.
   - É claro que não vou fazer. – Estendendo a mão e a ajudando a subir um pequeno morro.
   Adélia olhou para a mata ao redor, árvores altas a cercavam por todos os lados, cipós se penduravam, movendo-se lentamente ao ritmo do vento. O verde ao seu redor era intenso e o ar fresco.
   - É lindo, não é? – Disse Valéria, olhando um pássaro pequeno sobre uma árvore à sua direita. – Eu vinha aqui quando era pequena.
   - Com o seu pai, não é?
   Ela assentiu.
   - E o que vocês faziam?
   - Andavámos, mas eu preferia sentar na cachoeira.
   - É para lá que você está me levando?
   - É. Vamos, falta pouco agora.
   Valéria seguia um pouco a frente, olhando tudo ao seu redor com ar saudosista. Adélia viu uma aranha enorme deslizar as patas peludas pela teia, caminhando lentamente até um inseto preso. Cerrou o maxilar rapidamente e apertou os passos. O som do canto dos pássaros e de água correndo eram os únicos sons ali.
   Adélia desviou o olhar para a copa de uma das árvores, o sol deixava as folhas com um tom de verde-dourado, e enroscou o pé em um galho fino de uma planta rasteira. Suas mãos acertaram o chão com força e sentiu como se tivesse tomado um choque em um dos punhos.
   - Você está bem? – Perguntou Valéria, se aproximando.
   - Estou. – Sentando-se. – Acho que abri o pulso de novo. – Segurando a mão ferida.
   - “Tá” doendo muito?
   - Não, eu aguento. – Se colocando em pé. – Quero ver a cachoeira.
   - Tem certeza?
   - Absoluta, vamos logo.
   Valéria abriu um ligeiro sorriso e elas voltaram a caminhar. O barulho da água correndo ficava cada vez mais alto. Valéria a abraçou e beijou seu rosto. O topo da cachoeira apontou e Adélia esqueçou a dor no punho, encanrando-a maravilhada. Uma cascata de água cristalina despencava em uma queda de pelo menos cinco metros de altura.
   - É linda! . – Disse Adélia, olhando para a queda d’água da borda de um pequeno barranco.
   - Eu disse que era. – Sorrindo.
   - É você disse. – Sem olhá-la.
   Adélia desviou o olhar para a lágoa em forma de um círculo irregular, as pedras ao redor e no fundo tinham um tom escuro. Uma fenda estreita permitia que a água continuasse seu trajeto.
   Valéria saltou o barranco e estendeu a mão, ajudando-a a descer. Se sentaram em uma rocha comprida, de um cinza pálido, as margens da lágoa e ficaram em silêncio.
   - Está pensando no seu pai? – Perguntou Adélia, olhando-a rapidamente.
   - É. Não tem como vir até aqui e não pensar nele.
   - Vocês eram muito próximos, não eram?
   - Muito.
   - Queria ter conhecido o meu. – Olhando para frente com o olhar entristecido.
   - Quem perdeu foi ele. Ele não faz ideia da filha maravilhosa que tem. – Ficando de frente para ela e beijando rapidamente sua boca.
   Valéria colocou uma mecha do cabelo da namorada atrás de sua orelha, encando-a.
   - Eu tenho sorte, sabia? – Continuou;
   - E todas as vezes que disse que jogou pedra na cruz para ter me merecido?
   - Eu não falava sério. – Sorrindo.
   - Talvez eu acredite.
   - Quer que eu te convença? – Com o olhar malicioso.
   Valéria apoiou as mãos no chão ao lado do corpo dela, obrigando-a a se inclinar para trás.
   - É melhor não começarmos. – Disse Adélia, com um pequeno sorriso.
   - Tem razão.
   A beijou mais uma vez e voltou a se sentar ao seu lado.
   - Meu irmão chega de viagem na terça. – Disse Valéria.
   - Ele não ia voltar no ano que vem? – Abraçando as pernas e olhando-a.
   - Pois é, ele disse que explicava tudo quando voltasse.
   - E o que sua mãe disse?
   - Tentou obrigá-lo a falar pelo telefone. – Esboçando um sorriso. – Você conhece a peça.
   Adélia olhou para o alto e viu uma nuvem escura se aproximando.
   - É melhor irmos embora, vai chover.
   - Essa nuvem é passageira.
   - Não quero arriscar, vamos embora. – Olhando-a preocupada.
   - Não vai chover. Vamos aproveitar mais um pouco, quase não conseguimos ficar sozinhas.
   - Não sei não.
   - Se começar a pingar nós vamos embora na mesma hora, está bem assim?
   - Tudo bem.
   Adélia cerrou o maxilar ao olhar para a nuvem. Não parecia uma boa ideia permanecer ali. Um trovão ecoou estrondoso.
   - Vamos embora! – Gritou, se levantando com um salto.
   Em questão de segundos uma chuva torrencial começou a cair e uma avalanche de água despencou pela cachoeria, arrastando-as.
   Valéria emergiu vários metros de onde estava segunrando o tronco estreito de uma árvore comprida. A correnteza era forte e ela lutava para manter o nariz e a boca sobre as águas. Não via qualquer sinal da namorada.
   - Adélia! – Gritou, procurando-a desesperadamente. – Adélia!
   Um silêncio tenso e pavaroso ímperou antes que ela voltasse a chamar pelo seu nome. Adélia surgiu poucos metros a sua frente. Segurava um cipó preso ao barraco e sangue escorria em sua testa.
   - Valéria! – Gritou sem conseguir enxeguar direito e engoliu uma quantidade generosa de água.
   - Eu estou aqui. Vou te buscar não se preocupe.
   - Eu não consigo sair daqui. – A voz embargada pelas lágrimas.
   - Consegue, eu te ajudo. Confia em mim.
   Valéria percorreu o cipó com o olhar e percebeu que ele se extendia até bem próximo de onde ela estava.
   - Eu preciso que você fique calma e me escute. Se você seguir o cipó eu consigo te pegar.
   - Eu não consigo!
   - Consegue sim.
   A correnteza a engoliu, porém voltou a emergir logo depois.
   - Eu sei que você está com medo e eu também estou, mas você precisa vir, por favor. – Continuou.
   Valéria olhou rapidamente para o tronco que segurava antes de voltar a falar.
   - Venha.
   - Tudo bem.
   Adélia agarrou o cipó um pouco acima, a correnteza estava forte demais.
   - Isso, você consegue. – Vendo seu esforço.
   Valéria soltou uma das mãos do tronco e se esticou toda. Adélia tocou a ponta de seus dedos, mas acabou escorregando e quase foi arrastada mais uma vez. Valéria se esticou ainda mais e quando estava prestes a agarrá-la o tronco que segurava se partiu. Adélia tentou segurá-la, mas seu esforço foi inútil.
   - Valéria! – Gritou tão alto que seus pulmões arderam.
Não via qualquer sinal dela. Valéria havia desaparecido em meio as águas.
 
***
 
   - Você precisa seguir sua vida, já faz quase um ano que ela desapareceu. – Disse Alana, sua irmã mais nova, sentando-se em sua frente.
   Adélia olhava para a janela da cozinha com o olhar perdido.
   - Você não escutou uma palavra do que eu disse, não foi? –    Dando uma mordida no seu sanduíche.
   - Não. – Sem olhá-la.
   - Desde o acidente você está assim, distante, perdida.
   Adélia encarou a tampa de granito da mesa.
   - Talvez porque é assim que eu me sinto.
   - Você precisa seguir sua vida.
   - Não quero seguir nada. – Se levantando com um movimento brusco.
   - Aonde você vai?
   - Ficar sozinha em paz.
   A porta se fechou com um baque.
   Circulava cabisbaixa pelas ruas, lembranças de Valéria pipocavam em sua cabeça. Dobrou a esquina e esbarrou com uma mulher.
   - Desculpe. – Disse sem olhá-la e continuou a caminhar.
   - Adélia.
   Ela congelou, conhecia aquelas voz. Se virou, mas a mulher já havia desaparecido. Tinha sido apenas sua imaginação. Abriu um ligeiro sorriso entristecido.
   - Adélia. – Ouviu a mesma voz, mas dessa vez não deu atenção.
   Sentiu um puxão no seu braço, fazendo-a se virar.
   - Sabia que era você. – Com um pequeno sorriso.
   - Valéria! – Parecia estar vendo um fantasma.
   - Desculpe não ter te procurado antes. Não lembrava de nada depois do acidente e minha mãe não fez questão alguma de me contar sobre você.
   - Você está vida! – Foi tudo o que conseguiu dizer.
   A abraçou com força, precisava sentir que era real.
   - Eu é que tenho sorte por ter você. – Disse Adélia, segurando seu rosto.
   Valéria sorriu.
   - Eu lembro quando falei isso.
   Adélia aproximou seu rosto e a beijou.
 
Alice Moraes
Enviado por Alice Moraes em 10/04/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Guerreiros das Sombras R$12,00